O PLANO DIVINO ATRAVÉS DOS SÉCULOS

“Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade, que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade.”
Is 46:9-10

1 INTRODUÇÃO

Deus fez um plano que é conhecido dele desde a eternidade (At 15:18). A Bíblia é a revelação deste plano. Deus, o arquiteto das eras, achou por bem confiar-nos Seu plano para o futuro e revelar-nos Seu propósito e programa em detalhes na Palavra. As “épocas” ou “eras” e “dispensações” bíblicas constituem a “espinha dorsal” das Escrituras. Devemos conhecer estas eras e dispensações, suas características e objetivos principais, e, sobretudo, o principal propósito de Deus em ter um reino universal sobre o qual Ele reinará para sempre sem a ameaça de novas e contínuas rebeliões entre os agentes morais livres, como foi o caso de Adão.
Este estudo visa organizar de forma sintetizada os eventos proféticos e escatológicos do Plano de Salvação que Deus planejou desde a eternidade passada e o tem revelado aos homens através da Bíblia Sagrada. Porém entendemos que a revelação dos mistérios de Deus é progressiva através das eras e dos tempos. Aproximadamente 25% da Bíblia Sagrada é composta por profecia bíblia. Podemos definir também profecia bíblica como a história contada antecipadamente.
Diante de um mundo conturbado, pecaminoso e obscuro em que vivemos nos voltamos para a Bíblia e para o estudo da Profecia Bíblica como uma fonte real de esperança no futuro, pois somente ela nos garante um futuro seguro.
Assim, o campo de nosso estudo compreende tanto as profecias já cumpridas quanto as por cumprir, por isso iniciaremos olhando para o passado, para entender o presente e compreender o futuro.

1.1 O Plano Geral da Bíblia
Há várias características proeminentes da Bíblia que são indispensáveis para o estudo.
1.1.1 A Bíblia é um livro

Várias manifestações reveladoras dão testemunho desta unidade bíblica. De Gênesis a Apocalipse a Bíblia dá testemunho de que há um único Deus. Onde quer que ele fale ou aja, sempre haverá coincidência quanto a si mesmo e a toda a revelação sobre si mesmo.

1.1.2 A Bíblia é uma história ininterrupta

É o relato das maneiras como Deus trata com a raça humana.

1.1.3 A Bíblia é um livro profético

Traz o que pareceriam ser improváveis predições quanto ao futuro e, depois, oferece o registro de seu cumprimento no momento assinalado.

1.1.4 A Bíblia é uma revelação progressiva de verdades

Deus não dá, num momento particular, toda a informação que proporcionará sobre determinado tema. (Também é importante recordar que Deus não nos disse tudo acerca de si mesmo e de seus propósitos em relação ao homem, mas apenas o que necessitamos saber). Para estimular nosso interesse e impedir casualidades, ao longo do tempo Deus tem dado sua revelação por partes. Em Hebreus 1.1,2 encontramos uma declaração útil sobre este princípio: “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho”.

1.1.5 A Bíblia apresenta um único caminho de acesso a Deus

Toda a história bíblica até a cruz prevê a grande obra de Deus provendo um caminho para que os pecadores cheguem à sua presença. O restante do que é registrado no Novo Testamento considera esse ato retrospectivamente, delineando o relato daqueles que viveram após a cruz. O meio de acesso a Deus (morte substitutiva de um sacrifício) e o único canal para obter esse acesso (a fé) são apresentados de maneira uniforme na Escritura, sem nenhum indício de que haja outra maneira possível.

1.1.6 A Bíblia possui um grande tema: Jesus Cristo

Do princípio ao fim, a Bíblia possui um grande tema: a pessoa e obra do Senhor Jesus Cristo. De forma muito precisa e minuciosa, a Escritura está, antes de tudo, relacionada com ele. Apocalipse 19.10 nos lembra disso ao declarar: “O testemunho de Jesus é o espírito da profecia”. As palavras proféticas do Antigo e Novo Testamento se concentram em Jesus Cristo: elas são testemunhos acerca dele.

1.1.7 A Bíblia possui harmonia em todas suas doutrinas

As doutrinas da Bíblia são harmoniosas, mesmo tendo sido escritas por cerca de 44 escritores ao longo de mais de dezesseis séculos. A freqüente citação do Antigo Testamento por parte de escritores do Novo Testamento testifica isso.

1.1.8 A Bíblia é um livro composto de livros

Cada um dos 66 livros está completo em si mesmo e tem seu próprio tema e análise.

1.1.9 Os livros da Bíblia podem ser divididos em grupos

Nas Escrituras é possível ver cinco grandes divisões, cada uma das quais associadas a uma palavra-chave que sinaliza a encarnação de Cristo (Lc 24.25-27):

Todo o Antigo Testamento é uma preparação para Cristo (Lc 24.27). Os quatro Evangelhos apresentam sua vida e ministério como a segunda pessoa da Trindade encarnada. O livro de Atos registra a divulgação inicial do evangelion, o evangelho, as boas novas sobre Jesus. As Epístolas proporcionam interpretação e explicação dessa vida, ministério e morte. O livro de Apocalipse descreve a consumação dos propósitos de Deus em Cristo durante e muito além da história humana na terra.

1.1.10 A Bíblia relata a história da humanidade

Começando, logicamente, com a criação da terra e do primeiro ser humano, a história de nossa raça – que surgiu a partir do primeiro casal humano – continua nos primeiros onze capítulos de Gênesis. No duodécimo capítulo, começa a história de Abraão e da nação de quem ele é o predecessor. Essa nação, Israel, que, em sua maior parte, centra-se a narrativa bíblica posterior, de Gênesis 11 até Atos 2. Os gentios são mencionados, mas somente em conexão com Israel. Torna-se cada vez mais claro que Israel ocupa a cena dessa forma somente porque a esta nação foi confiado o cumprimento de grandes propósitos de dimensões mundiais.

A missão estabelecida para Israel foi:
1)Dar testemunho da unicidade de Deus em meio à idolatria universal (Dt 6.4; Is 43.10);
2)Exemplificar para as nações a grande bênção de servir ao único Deus verdadeiro (Dt 33.26-29; 1 Cr 17.20,21; Sl 102.15);
3)Receber e preservar a revelação divina (Rm 3.1,2);
4)Dar à luz o Messias, o Salvador e Senhor da humanidade (Rm 9.4,5). Os profetas predizem um futuro glorioso para Israel durante o reinado do Messias;
A história bíblica de Israel – passada, presente e futura – abarca sete períodos distintos:
1)Do chamamento de Abraão (Gn 12) ao Êxodo (Ex 1-20);
2)Do Êxodo até a morte de Josué (Ex 21 – Js 24);
3)Da morte de Josué até o estabelecimento da monarquia hebraica com Saul;
4)O período dos reis, de Saul até os cativeiros;
5)O período dos cativeiros;
6)A nação restaurada (do final do cativeiro babilônico até a destruição de Jerusalém em 70d.C.);
7)A presente dispersão e posterior regresso à terra de Israel.
Os Evangelhos registram o surgimento do Messias prometido, Jesus Cristo, na história humana e dentro da nação hebraica, e relatam a maravilhosa história de sua manifestação a Israel, a rejeição por parte desse povo, sua crucificação, morte e ascensão.
O livro de Atos registra a descida do Espírito Santo e o começo de uma nova entidade na história humana, a Igreja. A humanidade é agora dividida em três categorias (1 Co 10.32):
1)Judeus;
2)Gentios;
3)Igreja de Deus.

1.2 As Três Classes de Povo na Bíblia

  • Judeu
  • Gentio
  • Igreja

1.3 Os Três Períodos do Ministério de Jesus Cristo

  • Profeta (desde o Éden até a Cruz)
  • Sacerdote (desde a Ascensão até a Segunda Vinda)
  • Como Rei (durante o Milênio e em Épocas Sucessivas)

1.4 Os Três Principais “Séculos” do Tempo na Bíblia

  • Século Antediluviano ou Passado (da Criação ao Dilúvio)
  • Século Pós-Diluviano ou Presente (do Dilúvio à 2ª Vinda de Cristo em Glória)
  • Século Futuro ou Vindouro (da 2ª Vinda de Cristo em Glória à Renovação da Terra por Fogo)

“Século” ou "Era" é o tempo entre duas mudanças físicas, na superfície da terra.

1.5 O Tempo x Homem x Eternidade de Deus

Deus é eterno, sempre existiu. O homem é o único ser do universo que possui duas naturezas: a terrena e a celestial. Os anjos só possuem a natureza celestial, os animais somente a natureza terrena, porém o homem é a única criatura de Deus que possui as duas naturezas, por isso o homem é o centro da criação divina!
No princípio o homem foi criado para ser eterno (Gn 1.26-27), porém devido ao pecado do primeiro homem, entrou a morte (separação) na raça humana (morte física para a natureza terrena ou corpo, e morte espiritual para a natureza celestial ou espiritual). Portanto o tempo foi criado devido à queda do homem, e nossa mente humana não consegue compreender hoje o que é a eternidade.

Em gênesis capítulo 1 e versículo 1 vemos a trindade divina (Pai, Filho e Espírito Santo) na criação: "No princípio criou Deus os céus e a terra." A Palavra "Deus" neste versículo é "Elohim" no original hebraico que indica a presença de mais de uma pessoa, devido a terminação "im" que na língua hebraica indica plural ("s" em português). João fala da eternidade de Jesus Cristo em João capítulo 1 e versículo 1: "No princípio era o Verbo, o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." Ele é o Alef e o Tav, ou seja, a primeira e a última letra do alfabeto hebraico, correspondente ao Alfa e Ômega do grego (Ap 22:13). No hebraico se escreve da direita para a esquerda, ou seja, quando para o homem é o fim, para Deus é apenas o começo!


“Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.” Ap 22:13.

1.6 As Sete Dispensações no Plano de Salvação

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja (divide, reparte – do latim dispensatio) bem a palavra da verdade” (2 Tm 2.15).
Uma dispensação é um período de tempo durante o qual o homem é provado a respeito de sua obediência para com uma determinada revelação de vontade de Deus. As dispensações são uma revelação progressiva e conexa da forma como Deus trata com o homem.
A palavra grega para dispensação (“oikonomia”) tem os seguintes significados: “administração”,”mordomia”, mas também “dividir” ou “repartir”. A palavra dispensacionalismo vem do latim “dispensatio” que pode significar “repartir”, “atribuir” ou “manejar”. A Bíblia tem uma subdivisão estruturada, que precisa ser considerada quando lemos ou interpretamos a Palavra de Deus. Por conseguinte, é necessário distinguir ou separar esses diversos períodos, a fim de “manejar bem a Palavra da Verdade”.
Exemplo:
LEI -> Hebreus 10.28 :”Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas”.
GRAÇA -> Hebreus 10.29 :”De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?”.

1.7 O que é Escatologia Bíblica

Escatologia é a palavra que no original grego chama-se "ESCATOS"=último e "LOGIA"=estudo ou tratado, consequentemente, significa ESTUDOS DAS ÚLTIMAS COISAS, portanto, trata das doutrinas das coisas futuras, que hão de acontecer, é o estudo das profecias.
Escatologia é uma parte da teologia que trata dos últimos eventos na história do mundo ou do destino final do gênero humano comumente denominado como fim do mundo. Na Bíblia sagrada, o “fim do mundo” é um evento futuro profetizado no texto sagrado. De forma ampla, a escatologia costuma relacionar-se com conceitos tais como Messias, Pós vida, Grande Tribulação, Milênio, Eternidade, etc.
O retorno pessoal de Jesus (Yâhûshu'a) a Terra é a grande esperança da Igreja e o ponto crucial da conturbada história humana. Em nossos dias estão sendo preparadas às condições para o Seu retorno, que será a culminação de um longo processo, cujo objetivo final é a restauração do homem à posição que o Criador tinha planejado no princípio.
A escatologia também é o Estudo das Profecias. As profecias são proeminentes nas Escrituras, o Tanach (Torah + Nevim + Ketuvim = TNK [TANACH]. Torah תורה ou (normativa de vida, instrução); Nevim נביאים – Profetas; Ketuvim – Escritos - כתובים (conhecido no ocidente como o Antigo Testamento). Está repleto (mais de 1/3 dele!) de profecias, incluindo a 2ª Vinda de Jesus (Yâhûshu'a). Exemplos: Jó 19:25-26; Dn. 7:13-14; Zc.14:4.
No Brit Hadasha, Pacto Renovado (NT), mais de 350 versículos (1/25) são proféticos! Há capítulos (Mt 24, 25; Mc 13; Lc 21; 1 Co 15) que são inteiramente proféticos.
Há mesmo livros (1ª e 2ª Epístola aos Tessalonicenses e o livro de Apocalipse) são inteiramente proféticos!
Ao todo: 1/3 (um terço!) da Bíblia é constituído de profecias! (a maior parte delas já cumpridas, mas muitíssimas ainda por se cumprir).

1.8 Cuidados que devemos tomar ao estudar a bíblia

1) A má INTERPRETAÇÃO das Escrituras:
a) A Bíblia deve ser interpretada literalmente sempre que se possa.
b) Ao encontrar algo que não se entende, deve deixar-se para mais tarde.
2) A má APLICAÇÃO das Escrituras:
a) Não devemos tomar promessas feitas a Israel e aplicá-las à Igreja.
b) Não devemos colocar uma Escritura que se refere a uma coisa e fazê-la referir-se a outra, nem usar um texto sem tomar em conta seu contexto.

1.9 As Três Maneiras de Interpretar as Escrituras

1- Literalmente (Mt 1:18-25):

Faça-a significar exatamente o que diz, sempre recordando que há três classes de pessoas na Bíblia: judeus, gentios e Igreja, 1º Co 10:32.

2- Figuradamente (ou metaforicamente):

Exemplos: Jo 6:48 e 10:7. Estes textos falam de Cristo como “Pão” e “porta”. Estas expressões estão em linguagem figurada.

3- Simbolicamente:

Exemplo: Daniel caps. 2 e 7 usam metais e animais para lhe dar significados. Há algumas expressões que precisam ser aprendidas para facilitar o entendimento deste estudo.

2 OLHANDO PARA O PASSADO


2.1 Os Séculos Criativos

2.1.1 Deus no Eterno Passado (Gn 1.1)

A existência de Deus por toda a eternidade é clara nas Escrituras (Sl 90.2; 93.2; Pv 8.22-31; Hb 9.27). Não é revelado o que Ele fez durante todo esse período, além de criar os universos espiritual, moral e material (Dt 29.29).

2.1.2 A Criação Original (Gn 1.1)

No versículo 1 vemos a criação da Terra Original num passado longínquo e sem data. Não há conflito entre a Bíblia e a ciência autêntica. Isaías 45.18 nos mostra esta criação original e em Ezequiel 28.12-16 nos fala da existência de um “Éden, Jardim de Deus” composto de um reino mineral, todo glorioso, no qual Lucifer (Satanás), o “querubim da guarda ungido”, andava no brilho das pedras. Este paraíso mineral faz lembrar o paraíso encontrado em Apocalipse 21 e 22 em que vemos um novo céu e uma nova terra. A descrição deste Éden é diferente do Éden, o lar de Adão (Gn 2.8), mas o nome é o mesmo. Concluímos que o primeiro Éden pertencia a uma criação diferente, mas a terra é a mesma.

2.1.3 A Terra Caótica (Gn 1.2)


Podemos concluir também que foi dessa mesma posição exaltada que ocupava, que Satanás aspirou ser igual ao Altíssimo (Is 14.12-14; Ez 28.14-19), ocasião em que a grande ira de Deus contra esse anjo fez reduzir a terra original a um estado de caos absoluto, fato registrado em Gênesis 1.2; 1 Tm 3.6. A partir deste juízo Satanás caiu de sua posição de “Querubim ungido” para “chefe das potestades do ar” (Ef 2.2; 6.11,12; Jo 12.31; 14.30). Conforme Isaías 45.18, a terra original não foi criada como um caos, porém tornou-se caos, sendo submergida na água. Não havia luz de espécie alguma. Foi o castigo mais tremendo jamais aplicado a algo de Deus de que temos notícia. Que demonstração do poder destruidor de Deus quando tem de castigar alguém!

2.1.4 Os céus e a terra que agora existem (2 Pe 3.7)



Os registros de Gênesis 1.3-31 e 2.1-3 não se referem à obra da criação original, e sim, a um período de tempo em que a terra ficou liberta de sua condição caótica. Foi obra administrada pelo Espírito Santo de Deus (Gn 1.2).
Neste período Deus recriou a criação em uma semana, criando o homem no sexto dia, o centro de todo o universo, a coroa de toda a criação. O homem é o único ser criado por Deus que possui duas naturezas: a natural (da terra, de baixo) e a espiritual (de cima, do céu).


2.2 O Século Antediluviano ou Passado

Era anterior ao dilúvio (Gn 1.3-8.22). Do princípio até a época do dilúvio de Noé. Essa era inclui as dispensações da Inocência e Consciência. Nesta era podemos dividir a terra em 5 estados:
1)Estado Original (Gn 1.1; Gn 2.4ª). Éden Mineral (Is 14:12-14;Ez 28:11-19).
2)Estado Caótico (Gn 1:2).
3)Estado da Reconstrução (Gn 1:3-25).
4)Estado (ou dispensação) da Inocência (Gn 2-3) - Éden Vegetal (Gn 2:8-25).
5)Estado (ou dispensação) da Consciência (Gn 3:23; Gn 7:1).

2.2.1 A Dispensação da Inocência

1)Nome - Denominado assim porque o homem foi tentado e colocado em provação enquanto era inocente (Gn 2.8-25; 3-7).
2)Duração – Desconhecida (provavelmente poucos dias).
3)Responsabilidade – Não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gn 2.16,17;3.6).
4)Fracasso – A queda, desobediência (Gn 3.1-24; Rm 3.23; 5.12-21; 1 Tm 2.11-15).
5)Julgamento – Perda da comunhão com Deus, expulsão, maldição e morte (Gn 3.7-19).

2.2.2 A Dispensação da Consciência

1)Nome – Denominada assim porque o homem foi testado para ver se ele iria obedecer à sua própria consciência em relação ao certo e errado (Gn 6.1-7; Rm 2.12-16). Não existiam leis escritas.
2)Duração – 1.656 anos, da queda de Adão até o 600º ano de Noé (Gn 5.1-29;7.6,11).
3)Responsabilidade – Obediência à direção da consciência sobre o certo e o errado (Gn 3.22; 4.7,15; 6.1-7).
4)Fracasso – Impiedade (Gn 6.5-6,11-12).
5)Julgamento - Dilúvio (Gn 6.7,13 7.11-14).


2.3 O Século Pós-Diluviano ou Presente


Era presente ou pós-diluviana (Gn 8.15 - Ap 19.10). Do dilúvio de Noé até a 2ª Vinda de Cristo em Glória (Zc 14:4). Essa era compreende quatro dispensações: o Governo Humano, a Promessa, a Lei e a Graça.

2.3.1 A Dispensação do Governo Humano

1)Nome – Denominada assim por causa das leis humanas e governos que foram instituídos para regular a vida dos homens após a longa era de liberdade de consciência. Deus agora deu a Noé determinadas leis para governar a raça humana por elas, e o homem passou a ser responsável pelo seu próprio governo.
2)Duração – Do dilúvio de Noé até o chamado de Abraão com 75 anos de idade – um total de 427 anos (Gn 11.10-32; 12.5).
3)Responsabilidade - Espalhar e multiplicar (Gn 8.15-9.7).
4)Fracasso - Não se espalharam (Gn 11.1-4).
5)Julgamento - Confusão das línguas (Gn 11.5-9).

2.3.2 A Dispensação da Promessa ou Patriarcal

1)Nome – Denominada assim por causa das promessas e alianças feitas com Abraão e sua descendência, os patriarcas. Nesse período Deus começou a predizer e a enfatizar a vinda da semente da mulher através de um grupo particular da raça humana.
2)Duração – Do chamado de Abraão aos 75 anos de idade até ao êxodo do Egito – 430 anos (Ex 12.40; Gl 3.14-17).
3)Responsabilidade - Viver em Canaã (Gn 12.1-7).
4)Fracasso - Viver no Egito (Gn 12.10;46.6).
5)Julgamento - Cativeiro no Egito (Ex 1.8-14).

2.3.3 A Dispensação da Lei

1)Nome – Denominada assim por causa das leis dadas a Moisés, as quais se tornaram parte da regulamentação da fé e da prática durante o período entre Moisés e Cristo.
2)Duração – Do êxodo do Egito até a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém no Domingo anterior a sua morte, ou de Moisés até Cristo – 1718 anos ou mais (Ex 12.38-Mt 21.1-11).
3)Responsabilidade - Observar toda a lei (Ex 19.3-8).
4)Fracasso - Quebrou a lei (2 Rs 17.7-20; Mt 27.1-25).
5)Julgamento - Dispersão Mundial, “Diáspora” (Dt 28.63-66; Lc 21.20-24).


2.3.4 A Dispensação da Igreja ou da Graça

1)Nome – O termo “igreja” vem do original grego “ekklesia” e significa “chamados para fora”. Na Bíblia a palavra igreja sempre aparece relacionada com grupo de pessoas e não com um templo. Foi profetizada por Jesus Cristo em MT 16.18 e hoje representa o “corpo” de Cristo na terra, onde Cristo é o cabeça e habita individualmente em cada crente através do Espírito Santo. Conhecida também como a dispensação do Espírito Santo ou da Graça.
2)Duração – Do Pentecostes até a 2ª vinda de Jesus Cristo. Já estamos há quase 2000 anos desta dispensação que ainda não terminou.
3)Responsabilidade - Fé em Jesus, pregar o evangelho e manter a doutrina pura (Jo 1.12;Rm 8.1-4).
4)Fracasso - Abandono da fé, evangelho apóstata e doutrina impura (Jo 5.39-40;2 Tm 3.1-7).
5)Julgamento - Deixados para seguir falsa doutrina (2 Ts 2.3; 2 Tm 4.3).

3 INTERPRETANDO O PRESENTE

Quando olhamos para o nosso tempo precisamos entender algumas marcas que distinguem a nossa dispensação das demais:

Épocas Passadas

Época Presente

O Messias era esperado – Gn 3.15

O Messias já veio e completou sua obra – Jo 19.30

O Messias foi prometido a Israel – Is 9.6,7

O Messias foi rejeitado por Israel – Jo 1.11

Havia uma só nação escolhida para ser “representante” de Deus – Is 43.1

Todos os que crêem são encarregados de espalhar a Palavra de Deus – Mt 29.19,20

O Espírito Santo habitava momentaneamente as pessoas – 1 Sm 10.1; 1 Sm 16.14

O Espírito Santo habita definitivamente os crentes – Ef 1.13,14; Jo 14.16-17


3.1 O Plano de Deus para a Igreja


3.1.1 A Igreja, um “Mistério”


A igreja, segundo o apóstolo Paulo, é um “Mistério”. Jesus falou de sua igreja em Mt 16.13-19, revelando apenas a verdade fundamental sobre a qual seria ela edificada. A Igreja como entidade era desconhecida dos profetas do Antigo Testamento, a não ser no sentido de que grandes bênçãos foram prometidas aos gentios (Is 11.10; Rm 9.24-30). A Paulo foi revelado que o propósito de Deus era formar, pela morte de Cristo, um só corpo constituído de judeus e gentios (Ef 2.12-16). Podemos definir Mistério como uma verdade previamente oculta, mas agora divinamente revelada (Cl 1.26; Ef 3.1-21; 1 Pe 2.6-10; At 4.8-12). A Igreja foi escolhida e planejada por Deus antes da fundação do mundo (Ef 1.4,5).

3.1.2 A Atual Mordomia da Igreja (1 Co 4.2)


1)Profecia:
a)Evangelismo - para os não salvos (1 Co 9.16);
b)Ensino/Edificação – para os salvos (2 Tm 3.16).
2)Sacerdócio:
a)Louvores (Hb 13.15);
b)Cuidar das necessidades uns dos outros (Hb 13.16);
c)Dedicação dos bens e serviços para o Reino (Fp 4.18);
d)O nosso corpo é o templo (Rm 12.1,2).
3)Governo:
a)Suspenso;
b)O Diabo detém o poder (2 Co 4.4; 1 Jo 5.19).

3.2 A Morte e o Estado Intermediário

3.2.1 A Morte


A morte é um inimigo (1 Co 15.26, Ap 21.4), que entrou no mundo através do pecado (Rm 5.12). A morte no sentido bíblico nunca significa extinção, e sim separação. Todo o homem está destinado a morrer fisicamente uma única vez, comparecendo depois disto diante de Deus para julgamento (Hb 9.27).
A morte de um Cristão:
Jesus disse: "Eu sou a Ressurreição e a Vida; quem crê em Mim, ainda que esteja morto viverá. E todo aquele que vive e crê em Mim nunca morrerá." João 11:25, 26. "Quem ouve a Minha Palavra e crê n'Aquele que Me en­viou tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida" João 5:24. O Cristão já não receia a morte nem esta o ator­menta. "Onde está ó Morte, o teu aguilhão? Onde está ó Inferno, a tua vitó­ria? Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo" I Co 15:54-57.
A Bíblia nos revela três tipos de morte:
1)Morte Física – Separação entre o corpo, a alma e o espírito (Gn 3.19; Jo 11-14; Lc 16.19-31);
2)Morte Espiritual – Separação entre Deus, a alma e o espírito (Gn 2.17; 3.6; Ef 2.1);
3)Morte Eterna – Também chamada segunda morte, sofrimento final do corpo do pecador não regenerado, ficando completamente separado de Deus e dos redimidos por toda a eternidade (Ap 20.11-15; 21.8).

3.2.2 O Estado Intermediário dos Mortos antes da Ressurreição de Cristo


Antes da ressurreição de Cristo tanto mortos justos como injustos desciam ao Sheol (hebraico) ou Hades (Grego). Estas duas palavras designam “a região dos mortos”, onde havia uma divisão para os justos e outra para os injustos, separadas por um abismo intransponível. Todos estavam ali plenamente conscientes. O lugar dos justos era de felicidade e segurança e era chamado “Seio de Abraão” e “Paraíso”. Já o lugar dos ímpios era medonho, cheio de dores e sofrimentos (Lc 16.19-31). Essa passagem não é uma parábola, mas uma história verídica contada por Jesus. Sheol e Hades aparecem às vezes traduzidas como inferno, porém é apenas um “inferno prisão” onde os ímpios permanecem entre a morte e a ressurreição deles. Já o inferno eterno, como destino final dos ímpios é chamado de Lago de Fogo e Enxofre, que no original é “Geena” (Ap 20.10-14).

Portanto, antes da vinda de Jesus a este mundo, todos desciam ao “Sheol” – justos e injustos – havendo uma separação intransponível entre as duas divisões ali existentes.

3.2.3 O Estado Intermediário dos Mortos após a Ressurreição de Cristo


Jesus, antes de morrer por nós, prometeu aos seus que “as portas do Hades não prevalecerão contra ela, a Igreja” (Mt 16.18). Isto mostra que os fiéis de Deus, a partir dos dias de Jesus, não mais desceriam ao Hades, isto é, à divisão reservada ali para os justos. A mudança ocorreu entre a morte e a ressurreição do Senhor, pois Ele disse ao ladrão arrependido: “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso” (Lc 23.43).
Jesus ao ressuscitar levou para o céu os crentes do Antigo Testamento que estavam no “Seio de Abraão”, conforme prometera em Mt 16.18 (Ef 4.8,9). A vitória plena de Cristo incluiu a derrota da morte e do inferno, e hoje as chaves da morte e do inferno estão na mão de nosso Senhor Jesus Cristo (Ap 1.18). O apóstolo Paulo foi ao Paraíso, que já estava no terceiro céu (2 Co 12.1-4). Portanto, o Paraíso está agora lá em cima, na imediata presença de Deus, e não mais embaixo, como dantes. E todos os crentes que agora dormem no Senhor estão no céu, pois o Paraíso está agora ali, como um dos resultados da obra redentora do Senhor (2 Co 5.8), e aguardam o arrebatamento da igreja, quando seus espíritos se unirão a seus corpos através da ressurreição, e subirão com Cristo, já glorificados (1 Ts 4.14).

3.2.4 A Presente Situação dos Ímpios Mortos


Para estes não houve qualquer alteração quanto ao seu estado. Continuam descendo ao Hades, o “império da morte”, onde ficarão retidos em sofrimento consciente até o juízo do Grande Trono Branco, após o Milênio, quando ressuscitarão para serem julgados e postos no eterno inferno, o Lago de Fogo (Ap 20.13-15). O inferno atual é uma “prisão” cuja chave está com Jesus (Ap 1.18). Em Ezequiel 32.17-32, no chamado “rol das nações ímpias no Hades”, vemos os ímpios mortos das nações ali referidas postos no Hades.
O estudo comparativo de Atos 2.27-31 e 1 Pedro 3.18-20 mostram que a vitória do Senhor Jesus foi anunciada até no Hades, o reino dos mortos. Todo universo tomou conhecimento dessa vitória transcendental, por ocasião da sua morte e ressurreição.


3.3 O Plano de Deus para Israel


3.3.1 Os Quatro Templos de Israel

Segundo o Instituto do Templo (www.templeinstitute.org), Israel aguarda ansiosamente a reconstrução do terceiro templo, e já faz todos os preparativos para tal. Ao lado réplica de como será o terceiro templo em Jerusalém.
Os judeus aguardam o seu Messias para que o seu templo seja reconstruído.
Este é um dos grandes sinais da volta de Jesus, estejamos alerta.

3.3.2 A Arca da Aliança

Segundo o site do Instituto do Templo, os judeus sabem onde está a Arca da Aliança, e tão somente aguardam o momento certo para que seja revelada.
A Arca da Aliança é uma réplica do reino de Deus na terra e continha a Shekinah, a Presença de Deus (Ex 25.10-22, 35.30-35, 36.1-2, 37.1-9). No interior da Arca estavam guardadas as Tábuas da Torah (lei ou orientação divina) dadas por Deus a Moisés no Monte Sinai, um pote de ouro com uma porção do Manah dado por Deus ao povo no deserto por 40 anos como pão diário, e a Vara de Arão que floresceu e deu autoridade a uma pessoa escolhida por Deus para ser o Sumo Sacerdote (Hb 9).
A Arca representa hoje a habitação de Deus no interior do crente através do seu Espírito Santo. As Tábuas da Torah representa a Palavra de Deus que deve estar dentro do nosso coração e é ela que nos dá a direção certa para viermos a vida em Deus (Hb 4:12; Sl 1:1-3; Sl 119:105). O Manah representa o Pão de Deus que é Jesus Cristo o Pão Vivo que desceu do céu (Jo 8:31-35) e quem dele comer nunca morrerá! A Vara de Arão simboliza o Ministério (serviço) Cristão aqui na terra, hoje representado pela Igreja do Senhor Jesus que é formado pela totalidade dos discípulos (seguidores) do Senhor Jesus (Jo 15:1-8).


3.4 A Era dos Gentios

3.4.1 Os Impérios Mundiais


3.4.2 Os Impérios e o Surgimento do Anticristo

4 COMPREENDENDO O FUTURO

A partir da Dispensação da Igreja podemos perceber que o Plano de Deus para Israel foi “suspenso” por um tempo, todas as atenções são voltadas para a Igreja, mas não podemos esquecer que os pactos de Deus com Israel são incondicionais, o que nos dá a certeza de que em algum momento Deus voltará a tratar diretamente com Israel.
A partir de agora iremos analisar separadamente os eventos relacionados à Igreja, a Israel e aos Gentios.

4.1 O Século Pós-Diluviano ou Presente (continuação)


4.1.1 A Vértebra Escatológica


Acreditamos firmemente em uma teoria que denominamos de “vértebra escatológica”. O que é isto? Assim como a vértebra humana é central na formação nervosa e óssea, e todo o corpo é sustendo por ela, acreditamos que exista um texto na Bíblia que deve ser considerado o sustentáculo, o pilar central da Escatologia – o estudo acerca do Final dos Tempos.
O único texto que se enquadra neste perfil de vértebra escatológica se encontra em Mateus capítulo 24, as palavras de Yâhûshu'a (Jesus) a respeito das últimas coisas (Lc 21; Mc 13; textos complementares de Mateus 24).
Mateus 24 se enquadra no perfil de vértebra no estudo da Escatologia, por vários motivos, porém listaremos alguns que consideramos de suma importância:
1º)Yâhûshu'a (Jesus) descreve o final dos tempos sob uma pergunta que os discípulos fizeram, na verdade eles formularam um questionamento típico dos escatólogos, ou seja, a pergunta que qualquer estudioso das últimas coisas gostaria de fazer ao Mestre:
“Dize-nos quando acontecerão estas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e dos fins dos tempos?” (v.3). Ora, deste questionamento Yâhûshu'a (Jesus) vem traçando, quase em ordem cronológica, os sinais do fim, bem como seu advento.
2º)A ambiência em que Yâhûshu'a (Jesus) narra o final dos tempos é bem apropriada. Yâhûshu'a (Jesus) está geograficamente no centro do cumprimento profético, no coração das profecias, está em uma ambiência escatológica, Yâhûshu'a (Jesus) está no Monte do Templo em Jerusalém.
3º)A narrativa está quase em ordem cronológica, percebe-se isto na lógica do texto. O uso de expressões como: Então, quando, logo, etc., indicam marcação de tempo, e isto é importantíssimo para compreendermos a manifestação das últimas coisas.
O testemunho do advento não será restrito aos judeus como veremos no desenvolvimento deste estudo bíblico.

4.1.1.1 A Escatologia do Messias

Mateus 24 é a Escatologia do Messias. Todos os outros textos que temos nas Escrituras desde os profetas até Apocalipse estão submetidos pela visão escatológica do Messias. Qualquer interpretação bíblica sobre o final dos tempos que, fuja a visão de Yâhûshu'a (Jesus) sobre este assunto, deve ser reavaliada.
E o quê Yâhûshu'a (Jesus) diz sobre as últimas coisas? Esta deve ser a humilde pergunta que o teólogo sincero deve fazer. Como Yâhûshu'a (Jesus) descreve e profetiza o Final dos Tempos reafirmando as palavras ditas pelos seus profetas?
Vejamos nos tópicos a seguir como é a Escatologia do Messias em Mateus 24:
“... quando sucederão estas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e da consumação dos séculos?” (Mt 24.3).


1. “Princípio das Dores” Mateus 24.4-9

- Falsos Messias;
- Engano;
- Guerras e Rumores de Guerra;
- Nação contra nação, Reino contra Reino;
- Fomes, Terremotos em vários lugares.


2. “A Grande Tribulação” Mateus 24.9-28

2.1)Início da Grande Tribulação:
- Ódio das nações;
- Escândalos;
- Traição;
- Ódio;
- Falsos Profetas;
- Transgressão da lei (anomia);
- Amor se esfriará;
- O Evangelho será anunciado por todo o mundo.
2.2)A Grande tribulação propriamente dita:
- Abominável Desolação;
- Fuga para os montes;
- Grande Tribulação (Aflição de Jacó).

3. “A Vinda do Filho do Homem” Mateus 24.29-44

3.1)Logo em seguida a tribulação daqueles dias (v.29):
- O Sol escurecerá;
- Yâhûshu'a (Jesus) vem ao som de Shofar;
- Lamentação dos povos;
- O Recolhimento dos Escolhidos v.40.

4.1.2 As duas vindas de Cristo

Os cristãos por toda a história creram, e continuam crendo, na promessa que Jesus (Yâhûshu'a) voltará para levar a sua Noiva para os céus, e sete anos depois de este evento voltará a terra com poder e grande glória para tratar com o seu povo Israel e estabelecer o seu reino que durará mil anos.
Juntamente com isso, cremos em outra promessa de Jesus (Yâhûshu'a), que disse que voltaria por nós, e nos tomaria a Si mesmo, para que onde Ele esteja, estejamos nós para sempre com Ele (João 14:2-3). Este evento é conhecido como o arrebatamento da igreja, de acordo com I Ts. 4:16-17. Este evento terá lugar em algum ponto futuro em nossa era presente, marcando assim que haverá só 1007 anos para que este mundo presencie o maior dilúvio de fogo (Ap 20:7-9) como nunca antes se viu ou se verá, para que depois a terra seja reconstruída.
Temos que entender que se a Bíblia fala a respeito de uma segunda Vinda é porque ouve uma primeira, veremos as diferenças:

1- O Messias Filho de Yosef (O Mashiach que sofre)
2- O Messias Filho de Davi (Mashiach Rei)

Mashiach Ben Yosef, Mashiach Ben David. Uns dos princípios fundamentais dos treze artigos da fé judaica que escreveu o rabino Moisés Ben Maimón (Maimónides) é que a crença e a afirmação de que O Mashíach (Messias) virá. O Mashíach sempre tem sido a esperança de Israel para as gerações passadas e para os presentes, pois sabemos que inclusive o pai Abraham viu sua vinda e se regozijou como está escrito:
“…Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se.” João 8:56.

4.1.3 As Diferenças entre o Arrebatamento (ou Rapto) e a 2ª Vinda de Cristo

Existem muitas diferenças entre o Rapto da Igreja e a Segunda Vinda de Cristo a terra. Muitos confundem a Vinda de Cristo com o Rapto da Igreja. As diferenças entre o Rapto da Igreja e a Segunda Vinda de Cristo são muitas, como você verá a seguir:
1. No Rapto, Cristo vem pela Igreja (1ª Tessalonicenses 4:13-17);
2. Na segunda vinda ele vem com a Igreja (Apocalipse 19:11-14);
3. No Rapto, ele vem antes da Ira (Romanos 5:9);
4. Na segunda vinda virá o fim da Ira (Apocalipse 19:11-14). Leia detalhadamente a passagem e verá que a segunda vinda é depois da Ira.
5. No Rapto ele vem até as nuvens (I Tessalonicenses 4:13-17);

6. Na volta ele vem com as nuvens (Mt 24);

7. No Rapto Cristo vem solteiro;
8. Na volta ele vem casado (Apocalipse 19:7).


4.1.4 O Arrebatamento da Igreja

Arrebatamento é o rapto ou a partida da igreja da terra, quando Cristo vem até as nuvens e leva a sua Igreja para junto de si no céu (1 Ts 4.13-18; 1 Co 15.51). O arrebatamento nunca foi profetizado por profetas do Antigo Testamento, e foi revelado pela primeira vez por Cristo aos seus discípulos na noite anterior a sua crucificação (Jo 14.1-3).
1)Quando – Iminente, ninguém sabe o dia e a hora (Mt 24.36);
2)Local – Cristo não toca a terra, vem até as nuvens (1 Ts 4.17);
3)Ressurreição dos mortos “em Cristo” (1 Ts 4.16);
4)Transformação e arrebatamento dos salvos vivos (1 Ts 4.17).


Posições teológicas quanto ao arrebatamento:

1)Pós-tribulação: a Igreja passará pela tribulação, será então arrebatada e retornará em seguida com Cristo para o Milênio;
2)Midi-tribulação: a Igreja passa por um período da tribulação, e é arrebatada durante a tribulação;
3)Pré-tribulação: a Igreja é arrebatada antes da tribulação.

Defesa do Pré-Tribulacionismo:
Se levarmos em consideração o tratamento de Deus com a Igreja do ponto de vista dispensacionalista, veremos que não faz sentido a Igreja passar pela tribulação, pois a base do relacionamento entre Deus e a Igreja é a GRAÇA, e a tribulação é um tempo de juízo sobre Israel (Jr 30.7). No Novo Testamento encontramos alguns versículos usados na defesa do arrebatamento pré-tribulacional: 1 Ts 1.9,10; Ap 3.10; 1 Tm 6.14,15.
Os eventos que sucedem o arrebatamento também ajudam a reforçar a ideia de que a Igreja não passará pela tribulação.

O QUE QUER DIZER ARREBATAMENTO?

“Charpázo” (do grego) que significa “ser absorvido”. Este evento próximo a acontecer com a Igreja do Senhor Jesus Cristo faz parte de uma das doutrinas bíblicas onde está assentada a nossa fé na dispensação que vivemos “graça”. Marcando o fim do período e dando começo a outro período tribulacionário (1ª Co 15:51-55; 1ª Ts 4:16-17).
Arrebatamento ou Rapto, significa que nós, os verdadeiros cristãos seremos transformados, glorificados e trasladados e transportados para o céu. Segundo a Bíblia, nosso corpo será transformado em um abrir e fechar de olhos e voaremos para o céu. Leia cuidadosamente I Coríntios 15:51-55 e 1 Tessalonicenses 4:16-17. Como você pode ver, seremos transformados em um abrir e fechar de olhos e voaremos ao céu para encontrar a nosso Senhor nos ares, e assim ficaremos com ele para sempre!

A ORDEM DO ARREBATAMENTO SERÁ A SEGUINTE:

1. O Arrebatamento será antes da “Ira”, ou “A Grande Tribulação” porque a Igreja não passará pela Grande Tribulação. Leia Romano 5:9, 1ª Tessalonicenses 1:10 e 5:8, ou Isaías 26:20.
2. Antes que sejamos arrebatados, nossos corpos serão transformados. Leia 1ª Coríntios 15:51-52.
3. Depois que nossos corpos sejam transformados, voaremos para o céu. Leia 1ª Tessalonicenses 4:17.
4. Quando estivermos acima, seremos julgados, não para condenação, mas para saber se merecermos um prêmio ou um galardão fora da salvação. 1ª Coríntios 4:5, 3:10-15, 1ª Coríntios 5:10 e Romanos 16:10.


NINGUÉM SABE O DIA NEM A HORA!

É certo que Jesus disse: “O dia e a hora ninguém sabe, nem ainda os anjos dos céus, apenas o Pai que está nos Céus” Mateus 24:36. É um erro tratar de datas, dias, e horas como têm feito alguns falsos profetas e falsos mestres, e que têm caído em vergonha. Agora, é interessante ver que ainda que Jesus não tenha dito nem a data nem a hora, nos deu sinais e tempos, pelos quais devemos olhar para ter ideia de quando serão estas coisas. Mateus 24:42,44; Mateus 24: 32-33.

Aqui podemos fazer uma pausa e meditar nestas palavras, a Volta do Filho do Homem. Cristo mesmo disse aos seus discípulos que esperem Sua volta. Se olharmos um pouco mais atrás, nos versículos de Mateus 24:27-39, vemos como Jesus disse a seus discípulos: “Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.” Quando Jesus dizia que os dias seriam como os dias de Noé, não se referia a Noé, mas ao comportamento e a atitude indiferente das pessoas nos dias de Noé. Assim sabemos porque imediatamente depois de dizer estas palavras, diz: Mateus 24: 38-39.
Tal como vemos hoje, o tempo da Segunda Vinda de Cristo será um tempo no qual tudo será aparentemente normal. A maioria das pessoas não dá importância ao chamado do evangelho de Deus, seguem em suas festas, e prazeres, e pecados, e não ouvem a voz de Deus que os chama. Assim era nos dias de Noé.


4.1.5 O Tribunal de Cristo

O Tribunal de Cristo é o julgamento dos salvos de acordo com as suas obras (2 Co 5.10, 1 Co 3.10-15; Rm 14.12). Não haverá condenação, somente recompensa.
1)O Juiz – Jesus Cristo;
2)Local – Céu, logo após o arrebatamento da igreja;
3)Base do Julgamento – Bem ou mal feito por meio do corpo;
4)Objetivo – Recompensar (O juízo da condenação já foi efetuado em Cristo na Cruz).
A qualidade é mais importante do que a quantidade: nosso tempo e esforço pouco vale se não for dedicado àquilo que é precioso para o Senhor, por exemplo, sacrificando nosso corpo para o Seu uso, usando nossos dons e talentos para a glória de Deus, comportando-nos sempre em obediência à Sua Palavra.


Galardão (coroas) – 1 Co 9.25:


1)Coroa Incorruptível - Domínio Próprio (1 Co 9..24-27);
2)Coroa da Vida – Fidelidade (Tg 1.12; Ap 2.10);
3)Coroa de Glória – Pastores Fiéis (1 Pe 5.1-4);
4)Coroa da Justiça – A todos que amam a sua vinda (2 Tm 4.7,8);
5)Coroa de Exultação – Evangelização (1 Ts 2.19,20).


4.1.6 As Bodas do Cordeiro

As “Bodas do Cordeiro” (Ap 19.7-9; Jo 14.1-3; Ef 5.25-32) é uma expressão que descreve a união final e completa de Jesus Cristo com os verdadeiros crentes. A expressão comunica uma intimidade de relacionamento entre Cristo e os crentes que nesta vida jamais foi experimentada e que jamais será comprometida ou quebrada. Do tempo das “bodas” em diante, a Noiva e Cristo são inseparáveis.
Um casamento judeu, na época em que o Novo Testamento foi escrito, começava com as providências feitas pelo pai do noivo, procurando a noiva e pagando o preço pedido por ela - Cristo pagou o preço por nós – (1 Co 6.20; Ef 5.25-27).
Isto podia ser feito quando o noivo era ainda criança ou depois, a qualquer tempo até a sua maturidade. O noivo e a noiva às vezes não se encontravam até o dia do casamento, como acontece ainda hoje em algumas culturas orientais. Pouco antes do casamento, o noivo ia até a casa da noiva para buscá-la e levá-la para sua própria casa – Arrebatamento – (1 Ts 4.16-17; Jo 14.3).
Nessa época, o noivo mandava dinheiro para a noiva preparar seu enxoval, que seria depois examinado pelo noivo. O noivo então jogava fora as peças que ele não havia gostado, e deixava apenas as que fossem do seu agrado – Dons / Tribunal de Cristo.
A seguir vinha a festa das bodas, que chega a durar uma semana. Dela participava um número muito maior de pessoas: vizinhos, amigos e conhecidos (Ap 19.7-8). A cerimônia das bodas terá lugar antes da segunda vinda de Cristo ao mundo, para julgá-lo.
A noiva parece-nos claro, consiste apenas dos santos da Igreja. Os santos do Antigo Testamento e os da Tribulação estarão presentes na festa, chamada Ceia das Bodas: eles são bem-aventurados porque foram chamados a estar presentes nesta última fase do casamento, tendo participado da primeira ressurreição, que é a dos justos (Ap 20.4,5). A festa terá lugar na terra, no início do reino milenar de Cristo.
Agora voltaremos nossa atenção para o tratamento de Deus com a nação de Israel. O relacionamento direto que havia sido suspenso temporariamente é retomado.

4.1.7 A Grande Tribulação

4.1.7.1 Quanto tempo durará?

A Grande tribulação será um período de sete anos. Serão sete anos maus, os piores da história do mundo. Quando Deus, usando todas as coisas, castigará ao mundo. No cap. 9 de Daniel, fala de 70 semanas de anos (490 anos). 69 semanas de anos que se cumpriram com a morte de Cristo, deixando uma semana (7 anos) para ser cumprida neste período. Haverá duas partes da Grande Tribulação: A primeira parte, de três anos e meio, não será tão má quanto a última parte. A segunda parte inclui Ap. 12:19.
Na primeira parte o Anticristo protegerá aos judeus, mas quando eles o rechaçam, porque ele demandará adoração como se fosse Deus, os judeus serão deixados sem ajuda terrestre, exceto a das duas testemunhas Ap. 11:3-12. Deus os protegerá sobrenaturalmente. Outras passagens que referem a estas duas partes são: Mt 24:21, 22; Ap 11:1, 2; Dn 12:1, Ap 12:14-17; 13: 5-7; Jer 30:4-11.

4.1.7.2 As Setentas Semanas de Daniel - 1

Esquema 1:

Esquema 2:

Esquema 3:


4.1.7.3 O Propósito da Grande Tribulação

O propósito da Grande Tribulação é purificar a Israel e lhe trazer para um lugar onde Deus possa cumprir o pacto Eterno feito com seus pais, e ainda fazê-lo sobre a base de seus retos mandamentos.
A perseguição muitas vezes tem quebrado seu espírito obstinado no passado, mas só temporariamente. A Grande Tribulação o fará permanentemente, Jr 30:4-7; 32:37-41; Ez 36:24-28; 20:33, 34; Zc 12:10 e 13:9; Ml 3:1-3; 4:1-5; Mt 24:21, 22.

4.1.7.4 O Anticristo

No início da Grande Tribulação se levantará um grande homem mau. O mundo o receberá para salvá-lo das dificuldades que haverá (especialmente civis e financeiras). Será recebido como um Cristo ou salvador e muitos acreditarão nele. Com o Rapto da Igreja, ele poderá agir livremente por meio do poder do diabo 2ª Ts 2:3-12; Mt 5:13.
Parece que haverá um reino feito pela união de 10 reinos, sobre o qual reinará o Anticristo, será o Império de Roma restaurado, segundo os pés e dedos da Imagem de Daniel. Algumas Escrituras falam dele como se fora o Diabo mesmo Ez 28:11-19, Dn 7:25, 8:9, 23,25.
No princípio dos 7 anos da Grande Tribulação, o Anticristo fará um pacto com os judeus, mas depois de três anos e meio, romperá seu pacto com eles (Mt 24:15-1 Ap 13-14,15; 12-17).

4.1.7.5 O Fim da Grande Tribulação

Continuando, veremos como será a volta à terra. Depois dos sete anos voltaremos para a terra para reinar sobre ela por mil anos (Apocalipse 5:10 e 20:6).
A Segunda Vinda do Senhor será realmente em duas épocas, primeira o Rapto, quando Ele descerá do Céu de Deus até as nuvens onde se reunirá com a Igreja. A segunda é a Revelação, quando virá em Poder e Glória para estabelecer seu Reino Milenial. Na última parte da Grande Tribulação, o Anticristo juntará a todos os exércitos grandes do mundo para guerrear contra os judeus e apoderar-se de Jerusalém. Assim acontecerá o que a Bíblia chama a “Batalha do Armagedon" (Sl 2:1-9, 21:8-12; 46:6-11; 76:7-9; 110:1-7; Isaías 2:1-19; 31:4-5; 41:11, 12; 59:17-19; 63: 1-3; 66:15, 16; Jr 30:16; Zc 12:7-9; 14- 3,4; Mq 7-16,17 e Lc 19:27). O Anticristo e seu exército vencerá a maioria dos judeus, mas no momento que parecer que o resto está sem socorro, aparecerá o Cristo verdadeiro no Céu. Ele estará montado em um cavalo branco, acompanhado por todos seu Santos que formarão seu grande exército. Cristo destruirá o grande exército do Anticristo e jogará a este último e a seu falso profeta no Lago de Fogo para sempre. Os judeus olharão a Cristo e o reconhecerão como o Jesus que crucificaram seus pais, pelas marcas em suas mãos. O receberão e ele principiará seu Reino Divino de mil anos sobre a terra (Zc 14:1-18; 12: 4-14; Ez 39; 2ª Ts 2:8; Ap 16:13-16; 19:11-21; Is 66:5-16; Zc 13).

4.1.8 Panorama Profético do Livro de Apocalipse

4.1.9 Eventos da Segunda Vinda de Cristo em Glória



QUANDO JESUS VIER NA VINDA EM GLÓRIA:


1. O sol se escurecerá:
A primeira coisa que acontecerá quando Jesus vier, haverá um grande escurecimento mundial (Zacarias 14:4, Salmos 18:9, Isaías 13: 10, Jó 2:12 e Mateus 24:29).
2. Aparecerá o sinal de Cristo:
Depois ou em meio desta escuridão aparecerá o sinal de Cristo (Mateus 24:30).
3. Todo olho o verá:
Cristo aparecerá com sua Igreja em cavalos brancos, sobre as nuvens do céu e todo olho o verá (Apocalipse 1:7).
4. Satanás é preso:
Satanás será aprisionado por um anjo, por mil anos no poço do abismo (Apocalipse 20:1-3).
5. Os demônios também serão aprisionados (Isaías 24:21-22).
6. Nova Rebelião:
O Anticristo fará uma grande guerra contra Cristo (Apocalipse 19:19).

4.1.10 As Ressurreições e os Juízos

Ao falar das ressurreições, refere-se às ressurreições dos corpos. O espírito do homem nunca morre nem dorme. Pode ser morto a Deus por causa do pecado (morte é separação), mas é vivo ao pecado. Somente o corpo pode voltar para o pó e assim pode ter uma ressurreição. Haverá duas diferentes ressurreições da humanidade:

4.1.10.1 A Primeira Ressurreição (dos justos) – 1ª fase

Cristo foi o primeiro, mas o evento geral acontecerá no arrebatamento. Todos os Santos que morreram em Cristo terão parte a esta ressurreição. Inclui-se também aos Santos do Antigo Testamento porque eles se contam como Santos devido a que confiaram no Salvador prometido que tinha que vir. É provável que os Santos da Grande Tribulação (os que se salvam durante a Grande Tribulação), terão parte nesta ressurreição, embora é obvio um pouco mais tarde, durante os seguintes 7 anos (Ap 6:9-11; Fl 3:10-14; 1ª Ts 4:14; Hb 11:35; Lc 14:14; 20:35, 36; Ap 20:4-6).

4.1.10.2 A Primeira Ressurreição (dos justos) – 2ª e 3ª fase

4.1.10.3 A Segunda Ressurreição (dos ímpios)

Esta acontecerá 1007 anos depois da primeira ressurreição ou ao término do Milênio. Incluem-se somente os mortos ímpios (Ap 20:4-6; 20:11-15; Jo 5:28, 29; At 24:15; Dn 12:2).


4.2 O Século Futuro ou Vindouro

Era por vir. Da 2ª vinda de Cristo em Glória (Ap 19.11-21) até os novos céus e a nova terra (Ap 21-22). Essa era compreenderá a última dispensação, o Reino Milenar de Cristo na Terra. Podemos dividi-la em 3 etapas:
1)Milenial (Ap 20:4).
2)Caótica (2 Pe 3:10-14; Ap 20:7-9).
3)Eternal (Ap 21:1).

4.2.1 A Dispensação do Reino Milenial

1)Nome – Denominada assim porque o governo divino será sobre todos os governos humanos. São 1000 anos do governo teocrático de Deus sobre a terra, também conhecido como Milênio.
2)Duração – Da 2ª vinda de Cristo, da batalha do Armagedon, do julgamento das nações e da prisão de Satanás (Mt 24.29.31; 25.31-46; Ap 19.11-20.3) até a soltura de Satanás, a segunda ressurreição, o julgamento do grande trono branco, a renovação dos céus e da terra, o início do novo céu e da nova terra – 1000 anos (Ap 20.1-15; 21.1; 2 Pe 3.10-13).
4)Responsabilidade - Obedecer e adorar a Jesus (Is 11.3-5; Zc 14.9, 16).
5)Fracasso - Rebelião final (Ap 20.7-9). Como em todas as 6 dispensações anteriores, haverá alguns que não escolherão a Deus e sua justiça. No fim do Milênio, multidões seguirão o mal que será solto da prisão para tentar seduzir o homem, dando uma oportunidade final de se rebelar abertamente e tentar vencer o governo de Deus.
6)Julgamento - Inferno eterno ou lago de fogo (Ap 20.11-15). Fogo cairá do céu e devorará os rebeldes da terra que viveram nos 1000 anos (ou uma parte deles, se eles tiveram nascido no período) e quem escolheu Satanás em vez de Deus. Assim, Deus dará fim a rebelião em seu reino universal que começou com Lúcifer, os anjos infiéis e os demônios. Todos os rebeldes humanos irão ressurgir para encarar o julgamento e serem confinados no inferno eterno com todos os outros rebeldes ( Is 66.22-24; Mt 25.41,46; Ap 14.9-11;19-20;20.1;21.15;22.8), e os anjos e homens retos servirão a Deus e o ajudarão a administrar os negócios do universo para sempre.

4.2.1.1 O que é o Milênio?

O Milênio será um período de mil anos em que Cristo e sua Igreja reinarão na terra.
É BÍBLICO O MILÊNIO?
Sim, o Milênio é uma doutrina escatológica, claramente ensinada na Bíblia. A palavra Milênio, encontra-se 6 vezes na Bíblia com o nome de: «MIL ANOS». Leiamos cuidadosamente Apocalipse 20:1-7 e veremos que a palavra mil anos se encontra 6 vezes. Além de Apocalipse 20:1-7, temos muitas outras referências bíblicas com respeito ao Milênio, nas quais se descreve com detalhes como será esse tempo maravilhoso de mil anos.
Devemos ter em conta que estas referências bíblicas se referem ao Milênio, sem mencionar a palavra Milênio, mas é indubitável que se refere a esse tempo. Leia: Isaías 11:6-9, 19:18-25, 30:26, 65:20-25, Zacarias 14:4-9, Ezequiel 47:8- 10. Existem inumeráveis referências bíblicas com respeito a estes maravilhosos mil anos. Continuando, você verá muitas outras referências bíblicas com respeito ao milênio, que lhe explicarão como e quando será o famoso Milênio.

4.2.1.2 Quando Será o Milênio?

O Milênio será sete anos depois do arrebatamento da Igreja e durará até o Julgamento do grande trono branco, ou seja, até o dia do Julgamento Final.
Recordemos que antes da Grande Tribulação, a igreja será arrebatada, ou subirá para o céu e estará sete anos acima, nas Bodas do Cordeiro e depois voltará a reinar com Cristo à terra, como já o vimos claramente, em textos anteriores, que falam do rapto da Igreja e da volta de Cristo à terra para reinar.
Isto nos mostra que o milênio será realmente um período de mil anos, onde Cristo reinará com sua igreja, o qual começa depois da grande tribulação e termina no trono branco do julgamento final. Leia Apocalipse 20:1-12 e comprove.

4.2.1.3 Quanto Tempo Durará o Milênio?

O Milênio, como já o vimos, durará «mil anos» e um pouquinho mais.
POR QUE INSISTIMOS NISTO?
Insistimos nisto, porque há pessoas que acreditam que já estamos no Milênio, ou que o Milênio será eterno, o que é uma grande tolice.
Sim, é uma grande tolice pensar desta maneira, porque se já estivéssemos no Milênio, então não teriam sido mil anos, mas sim 2 mil anos. Porque de Cristo até nós, passaram 2 mil anos, e não mil. Além disso no Milênio, o diabo será aprisionado, mas agora está livre, e só será aprisionado quando Cristo vier com sua Igreja em cavalos brancos. Apocalipse 20: 1 -3 e 20:7.

4.2.1.4 Onde será o Milênio?

O Milênio será na terra. O Milênio será nesta terra velha e não na terra nova. Como comprovamos que será nesta terra velha? Podemos prová-lo facilmente, porque está escrito que reinaremos na terra, Apocalipse 5:10. Zacarias 14:4-5, diz que Jesus deverá reinar com sua Igreja sobre a terra, Zacarias 14:9, diz que o reino será sobre a terra. Está ou não está falando desta terra?
A terra nova não vai ter Monte das Oliveiras nem vai estar em frente a Jerusalém.
Na nova terra só vai haver o monte de Sião, o qual é muito alto (Apocalipse 21:9-11 e 14:1).

4.2.1.5 Quem entrará no Milênio?

Antes do Milênio, antes da Ira, a Igreja já foi arrebatada. Então: QUEM ENTRARÁ NO MILÊNIO? Este é um assunto que muito poucas pessoas entendem, porque não estudam cuidadosamente a Bíblia.
DEUS TEM DOIS POVOS (Efésios 2:11-18).
Primeiro, você, tem que saber que Deus tem dois povos diferentes e separados; embora com a cruz de Cristo e seu sangue derramado, dos dois povos fez um só, porém «ESPIRITUALMENTE». Mas materialmente, são dois povos de Deus completamente diferentes.
A Bíblia diz que em Cristo todos somos iguais. Gálatas 3:28, homens e mulheres “Não há judeu nem grego”. Mas observemos que embora espiritualmente sejamos iguais, fisicamente somos muito diferentes, os homens das mulheres. Assim acontece também com o Israel e a Igreja. A Igreja e o Israel espiritual estarão no céu, mas o Israel material estará na terra, porque “a terra foi prometida a eles para sempre”.
O céu é para a Igreja de Cristo. Leiamos os seguintes versículos e comprovemos:
O CÉU É PARA A IGREJA.
Nossa cidadania está nos céus, leia Filipenses 3:20. O céu está reservado para nós, leia 1ª Pedro 1:4.
A TERRA É PARA ISRAEL.
Em Gênesis 17:1-8, não somente se comprova que a terra pertence a Israel, mas sim também se vê claramente que Israel é “O POVO MATERIAL DE DEUS”.
ISRAEL SERÁ PROTEGIDO PARA NÃO SER DESTRUÍDO NUNCA.
Em segundo lugar, você deve saber que Israel será guardado para «nunca ser destruído».
Israel é um povo indestrutível. Israel é a mulher que será protegida no deserto por três anos e meio, para que entre a reinar no Milênio, e não seja destruída. Leia Apocalipse 12 e comprove.
COMO SABEMOS QUE ESSA MULHER É ISRAEL?
Sabemos que se trata de Israel, pelo fato de que o sol e a lua representam a Jacó e sua esposa, e as estrelas representam aos 12 filhos de Jacó, ou seja, o povo de Israel. Leiamos Gênesis 37:9-10 e comprovemos.
Está vendo? José sonhou que o sol e a lua, ou seja, seu pai e sua mãe e seus onze irmãos e onze estrelas, ajoelhavam-se diante dele.
NEM TODAS AS PESSOAS MORRERÃO NA GRANDE TRIBULAÇÃO.
Em terceiro lugar, você deve ter presente, que nem todas as pessoas morrerão na grande tribulação, a não ser somente o 70%. Suponhamos que quando isto aconteça, haja 8 bilhões de pessoas no planeta e morre 70%. QUANTOS FICAM?
Mais de 2.400 milhões de pessoas para entrar no Milênio, para viverem durante os mil anos.
Leiamos Zacarias 13:8-9 e veremos que de cada três pessoas, morrerão dois e ficará uma, e que essa uma que fica, será purificada com fogo e se converterá a Deus. Leiamos também Zacarias 14:16 e veremos que todas as pessoas que fiquem vivas adorarão a Deus e veremos que serão de «TODAS AS NAÇÕES».

4.2.1.6 Quem não entrará no Milênio para Reinar com Cristo no Seu Reino?

Leiamos Gálatas 5:19-21 e ali encontraremos a lista das pessoas que não entrarão, e serão eliminadas se não se arrependerem.
NÃO HERDARÃO ESTE REINO:

OS ADÚLTEROS OS FORNICÁRIOS
OS IMPUROS OS LASCIVOS
OS IDÓLATRAS OS FEITICEIROS
OS QUE SÃO INIMIGOS OS CIUMENTOS
OS IRACUNDOS OS DISENCIOSOS
OS INVEJOSOS OS QUE DISPUTAM
OS HEREGES OS BÊBADOS
OS HOMICIDAS

OS FORNICÁRIOS

OS LASCIVOS
OS FEITICEIROS
OS CIUMENTOS
OS DISENCIOSOS
OS QUE DISPUTAM
OS BÊBADOS
E coisas semelhantes a estas, a respeito das quais lhes admoesto, como já lhes isso antes, que os que praticam tais coisas, não herdarão o Reino de Deus.

4.2.1.7 Onde estará a igreja no Milênio?

Já dissemos que a Igreja terá o céu como herança, mas isso não significa que nunca mais viremos à terra. Sim, a Igreja Celestial virá com Cristo a reinar na terra durante o Milênio, leia Apocalipse 20:6, 5:10 e Zacarias 14:4-5 e 14:9 e comprovará que estaremos na terra, reinando com Cristo, durante mil anos.

4.2.1.8 Que Acontecerá a Satanás Durante o Milênio?

Satanás e os demônios estarão prisioneiros no abismo, durante os mil anos do milênio. Leiamos Apocalipse 20:1-3 e comprovemos.

Leiamos Apocalipse 20:7 e veremos que ao final dos mil anos, o diabo será solto.
Leiamos Isaías 24:21-22 e veremos que quando Jesus vier, os demônios serão encarcerados nas masmorras do inferno, até o julgamento final.
Então durante mil anos não haverá diabo nem demônios incomodando na terra. Lindo, não?

4.2.1.9 Quem serão os governantes no Milênio?

A Igreja reinará com Cristo e com Israel:
1. Cristo será rei sobre toda a terra (Zacarias 14:9).
2. David será rei em Israel (Ezequiel 37:24).
3. Os Santos reinarão com Cristo por mil anos (Lucas 19:17, Apocalipse 20:4-6, 2:26-28 e Daniel 7:18-27).

4.2.1.10 Como será a hierarquia de governo no Milênio?

1. Cristo será rei sobre toda a terra (Zacarias 14:9).
2. Davi será rei em Israel (Ezequiel 37:24).
3. Cristo e a Igreja serão os primeiros (Apocalipse 5:10 e 20:4-5).
4. Judá será o segundo em poder (Zacarias 12:7).
5. Israel será o terceiro com os egípcios e os Sírios (Isaías 19:24).

4.2.1.11 Onde estará o centro do governo?

1. O governo será segundo a lei do Moisés (Ezequiel 37:24-27).
2. Será guardado o dia sábado (Isaías 66:23).
3. Será um governo teocrático (Zacarias 14:9).
4. Será um governo com autoridade (Apocalipse 2:26-28).
5. Não se admitirá rebeldia e os rebeldes terão pena de morte (Isaías 29:20).
6. Haverá uma tolerância máxima de 100 anos para os rebeldes (Isaías 65:20).
7. Será um reino de paz e justiça (Isaías 11:3-5).
8. Não haverá nenhum tipo de imposto (Isaías 60).
9. Não haverá violência na terra (Isaías 60:18). Atualmente os ímpios governam o mundo, mas durante o reino de Deus os Santos reinarão (Daniel 7:27). Durante o milênio não serão judeus ímpios os que reinarão, serão aqueles espirituais como: Paulo, Pedro, Tiago e João (Lucas 22:28-29).

4.2.1.12 O que se fará primeiro no Milênio?

Uma das primeiras coisas que passará no milênio será o julgamento das nações (Joel 3:2, Isaías 2:4, Mateus 25:3 1 -32).

4.2.1.13 Comeremos no Milênio?

Devemos considerar que a igreja foi glorificada antes do milênio e que estará reinando com um corpo celestial. Por esta razão, perguntamos se poderemos comer com um corpo glorificado?
1. Sim, comeremos no Milênio (Isaías 25:6 e Lucas 22:28-29).
2. Comeremos porque os anjos podem comer. Os anjos comeram quando visitaram Abraão (Gênesis 18:5).
3. Cristo comeu peixes com seu corpo glorificado (Lucas 24:43-44).
4. Sim, comeremos no milênio porque Cristo oferecerá no monte das Oliveiras, «UM GRANDIOSO BANQUETE MUNDIAL», com ricos assados e vinho muito puro (Isaías 25:6).
5. Existem vários versículos que dizem que comeremos. Apocalipse 2:17, 19:19, fala do jantar das Bodas do Cordeiro e não há janta sem comida.

4.2.2 Características Gerais do Milênio

4.2.2.1 Haverá Paz

Sim, no milênio haverá muita paz, porque Cristo vai ser o rei sobre todas as nações, então não haverá mais guerras, e também haverá uma grande prosperidade econômica, porque as nações não gastarão dinheiro em armas (Isaías 2:4, 11:6-9, 32:17-18, 33:5-6, 54:13, 55:11-13. 60:18, 65:22-25, 66:12, Ezequiel 34:25-27 28:26 e Oséias 2:18).

4.2.2.2 Haverá Alegria

A alegria será uma das características mais marcadas deste período (Zacarias 10:7, Jeremias 30:18-19, 31:1314, Sofonias 3:14-17, Isaías 9:34, 12:3-6).


4.2.2.3 Haverá Santidade

A santidade se manifestará através do rei e de seus súditos, a terra será Santa, o rei será Santo, os súditos serão Santos, as cidades serão Santas e o templo será Santo (Jeremias 31:23, Isaías 35:8-9, 4:3-4, 29:18-23, 52:1., 60:21, 61:10, Ezequiel 36:26, 37:23-24, 43:7-12. 45: 1, Sofonias 3: 11, Zacarias 8:3, 13:1-2, 14:20-21).

4.2.2.4 Haverá Justiça

No milênio haverá muita justiça, porque os maus serão eliminados (Jeremias 23: 5, Isaías 9:7, 11:5, 42:1-4, 65:21, Sofonias 3:18-20, Zacarias 9:11-12).

4.2.2.5 Não Haverá Idolatria

No milênio não haverá idolatria (Isaías 31:7, 2:18, 30:22.Ezequiel 36:25, 37:23, Zacarias 13:2).

4.2.2.6 Haverá Saúde

No milênio haverá muita saúde, porque haverá árvores e rios curativos (Isaías 33:24, Jeremias 30:.17, Ezequiel 34:16).

4.2.2.7 Haverá Glória

No milênio, a glória de Deus, terá plena manifestação (Isaías 24:23, 4:2, 35:2, 40:5, 60:1-9).

4.2.2.8 Haverá Consolo

No milênio, será o próprio rei quem consolará as pessoas (Isaías 51:3, 30:26, 12:1-2, 49:13, 66:13-14, Sofonias 3:18-20, Zacarias 9:11, Apocalipse 21:3-4).

4.2.2.9 Haverá Pleno Conhecimento

No milênio, haverá pleno conhecimento, porque haverá um ministério de educação do Espírito Santo como nunca antes houve (Isaías 11: 1-2, 41:19-20, 54:13).

4.2.2.10 Haverá Instrução

No milênio haverá muita instrução, o conhecimento virá da instrução que emanará do rei (Isaías 2:2-3, 12:3-6, 26:8-9, 29:17-24, 30:20-21. 32:3-4).

4.2.2.11 Deus tirará a Maldição da Terra

No milênio Deus tirará a maldição da terra (Gênesis 3:17-19), esta maldição será removida, de modo que haverá grande produtividade e os animais não serão ferozes (Isaías 35:9 e 65:25).

4.2.2.12 Haverá cura para os deficientes físicos

No milênio haverá cura para os deficientes físicos, no milênio se efetuará a correção de todos os defeitos físicos (Isaías 29:17-19, 35:3-6. 61:1-2, Jeremias 31:8, Sofonias 3:19).

4.2.2.13 Não Haverá Opressão

No milênio não haverá nenhum tipo de opressão, seja social, política ou religiosa (Isaías 14:3-6, 42:6-7, 49:8-9, Zacarias 9:11-12).

4.2.2.14 Haverá Amparo

No milênio haverá muito amparo, porque haverá uma obra de preservação da vida, que significará um amparo dado pelo próprio rei (Isaías 41:8-14, 62:8-9, Jeremias 23:6, Ezequiel 34:27, Zacarias 8:14-15, 9:11,12).


4.2.2.15 Haverá Reprodução de Seres Humanos

Os Santos que entrem no milênio com seus corpos naturais, terão filhos (Jeremias 30:20, 31:29; Ezequiel 47:22, Zacarias 10:8).

4.2.2.16 Existirá Trabalho

No milênio existirá trabalho, será um sistema justo e ninguém poderá queixar-se, porque todos poderão desfrutar abundantemente de seus trabalhos, principalmente porque Deus será o administrador (Jeremias 31:5, Isaías 62:8-9, 65:21-23).

4.2.2.17 Haverá Luz

No milênio haverá um considerável aumento da luz solar e lunar, e isto afetará diretamente a produtividade da terra (Isaías 4:5, 30:26, 60:19).

4.2.2.18 Haverá um só idioma

No milênio existirá um idioma universal (Sofonias 3:9).

4.2.2.19 Haverá Plenitude do Espírito Santo

No milênio haverá plenitude do Espírito Santo (Isaías 32:13-15, 44:3, 59:19, Ezequiel 36:27, 37:14, 39:29, 11:19-20, Joel 2:28).

4.2.2.20 Todas as Pessoas Adorarão a Deus

No milênio todos adorarão a Deus e ao Messias que é Cristo (Isaías 52:1, 66:17-23, 9:7, Zacarias 14:16, 8:23, Apocalipse 5:9).

4.2.2.21 No Milênio terá pecado, rebeldia e morte?

Sim, no milênio haverá morte, porque terá pecado e o salário do pecado é a morte (Romanos 6:23). Leia estes versículos e verá que terá pecado, morte e rebeldia no milênio: Isaías 26:10, 65:20, Zacarias 14:1618. Claro que a morte não será tão violenta como agora, mas sim muito mais lenta, porque está escrito que ninguém morrerá com menos de 100 anos. Por quê? Porque o milênio não é o céu. Porque o milênio não será na nova terra, onde não haverá mais pecado nem morte. Só na nova terra e nos novos céus não existirá o pecado e a morte (Isaías 65:17 e Apocalipse 22:3-5). Por isso o milênio terminará desta trágica maneira, porque as pessoas do milênio não têm o corpo glorificado como a igreja, eles terão corpos normais e podem pecar e ser tentados. Para que você não se confunda querido leitor, recorde que Deus tem «dois» povos e dois planos diferentes, um para cada um deles. Um destes povos é Israel, que será dono da terra para sempre, eles terão um corpo terrestre, eles poderão ter filhos. Sim, para eles é a terra (Gênesis 17:7-12 e Mateus 5:8), este será o povo de Deus que será tentado pelo Diabo no fim do milênio. “Bem-aventurados os de limpo coração, porque eles verão a Deus” Mt. 5:8.

4.2.3 O Trágico Fim do Milênio

É lamentável observar que o milênio terminará tão tragicamente como vai acabar a era da graça. Está escrito em Apocalipse 20:1-3 e 7, que no final do milênio, é necessário que o diabo seja solto por um pouco de tempo para enganar as nações da terra. É triste observar que muita gente se revelará contra Cristo e que vão obedecer a Satanás (Salmos 2:1-3 e Apocalipse 20:7-9), mas do céu descerá fogo e consumirá a todas as pessoas rebeldes e o diabo que os enganou será arrojado ao lago de fogo (Apocalipse 19:20, 20:10). Assim terminará o milênio, deixando a terra queimada e deserta, sem nenhum homem ou animal (Jeremias 4:23-27). Em uma terra em tais condições, sem sol nem lua, ocorrerá a ressurreição final de todos os mortos, ali será o julgamento final. A Bíblia diz em Apocalipse 20:11 que aparecerá um grande trono branco e Cristo se sentará nele, e que diante de sua presença desaparecerão os céus e a terra, e não se encontrará mais o lugar deles. E depois que a Igreja julgar aos anjos decaídos virá o Novo Céu e a Nova Terra onde habitaremos pela eternidade com Jesus.

4.2.4 O Juízo do Grande Trono Branco

Também conhecido como Juízo Final, perante o qual comparecerão todos os mortos ímpios (Ap 20.11,12).
1)O Juiz – Jesus Cristo;
2)Local – Nenhum lugar físico, pois a terra já terá sido destruída por fogo;
3)Base do Julgamento – Os livros das obras feitas através do corpo e o Livro da Vida;
4)Réus – Todos os incrédulos de todas as épocas desde Adão;
5)Veredicto – Todos serão condenados e lançados no lago de fogo eterno.
O Lago de Fogo, hoje vazio, é o destino de todos que hoje estão no inferno “prisão” chamado Hades, juntamente com Satanás e todas as suas hostes e demônios, que serão lançados ali neste Julgamento do Grande Trono Branco. É chamado também de segunda morte ou morte eterna (Ap 20.13-15). O Lago de Fogo será um horror para os habitantes da Nova Terra, e Deus usará como alerta para levar as gerações vindouras a abominar o pecado e andar nos caminhos de Deus (Is 66.22-24).


4.3 O Século dos Séculos ou Era das Eras

Era das eras. Do fim do Milênio (Ap 20.4-10) até a eternidade, quando Deus irá criar novos céus e nova terra (Ef 2.7; 3.11).

4.3.1 Novos Céus e Nova Terra

"E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe" (Ap 21.1).
Aqui a terra atual e os céus que agora existem (universo) será purificado e renovado por fogo, a terra voltará ao estado caótico como era no início, para encima dela dar lugar a uma nova terra e novo céu.
Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força.

Porque convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés.
Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte.
Porque todas as coisas sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas.
E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (1 Co 15.24-28).

4.3.2 O Estado Eterno

O último tema apresentado nas Escrituras é a eternidade com Deus, que é descrita de maneira a nos deixar a certeza que será totalmente incomparável. A mente humana jamais poderá compreender como será a eternidade, o fato é que será perfeição completa em todos os sentidos, que é a prova do caráter de Deus manifestado e compartilhado com aqueles que Ele salvou (Ap 21 e 22).

5 CONCLUSÃO


5.1 Aplicação Final

Como disse João em Apocalipse 1.3, felizes são aqueles que se dedicam a conhecer, entender e praticar a Palavra Profética. Que todos nós sejamos dedicados ao estudo da Palavra, para não cairmos no erro de aceitar qualquer doutrina ou simplesmente “viver a vida”.
Espero que este curso tenha despertado em cada um de nós o desejo de conhecer mais a Deus e Sua Palavra. Esta Palavra que será totalmente cumprida e que é digna de confiança até nos mínimos detalhes.
Também espero que ao final deste estudo você se torne mais comprometido com a obra de Deus e a amar as pessoas criadas por Deus, entendendo que o destino eterno das pessoas pode ser mudado através da transmissão e ensino desta Palavra. Que Deus te abençoe!

6 Bibliografia

  • PENTECOST, J. Dwight. Manual de Escatologia. São Paulo, Ed. Vida, 2006. 613 p.
  • OSLON, N. Lawrence. O Plano Divino Através dos Séculos. São Paulo, CPAD, 2006. 230 p.
  • HERMEL, João Maria da Silva. Escatologia Bíblica. Passo Fundo-RS, Corbã, 2000. 95 p.
  • DAKE, Finis Jennings. Bíblia de Estudo Dake. CPAD, 2009. 2144 p.
  • LAHAYE, Tim. Bíblia de Estudo Profética.
  • SCOFIELD, C.I. Bíblia de Estudo Scofield.
  • CORTEZ, Daniel. Escatologia Bíblica. Porto Alegre-RS, IFETE, 2011. 25 p.

    Clerio Kropp, 07 de Setembro de 2011.

Reprodução Autorizada, desde que citada a fonte: www.cleriokropp.com

Download Apostila PDF: Escatologia Bíblica - Clerio Kropp.pdf

COMPARTILHAR:

+1

8 Comentarios "O PLANO DIVINO ATRAVÉS DOS SÉCULOS"

  1. Paz, graça e amor de Cristo Jesus.
    Achei o estudo muito bom e obrigado por deixar Deus os usar para trazer conhecimento forte e profundo da Santa Palavra de DEUS.

    ResponderExcluir
  2. Nossa perfeitamente perfeito...........mito bom.......maravilha.

    ResponderExcluir
  3. EXCELENTE ESTUDO!!!! AMEI CONHECER ESSE CONTEÚDO DIVINAMENTE EDIFICANTE. LI-O COM SOFREGUIDÃO E TORNAREI A FAZÊ-LO ESTUDANDO-O DE FORMA MAIS AMIÚDE. QUE O SENHOR DA GLÓRIA ABENÇOE PODEROSAMENTE AOS Q PREPARAM ESTE MAGNIFICO ESTUDO. ALELUIA!!! GLÓRIA A DEUS!!!

    ResponderExcluir
  4. Estou simplesmente maravilha e profundamente agradecida por esse impressionante estudo da PALAVRA do nosso ETERNO E TODO-PODEROSO CRIADOR. Que ELE ABENÇOE PODEROSAMENTE AOS seus autores!!!

    ResponderExcluir
  5. EXCELENTE MATERIAL!
    GOSTARIA DE SABER SE NÃO TEM ALGUM ARTIGO QUE MOSTRE OS BENEFÍCIOS DE SE COMPREENDER A PALAVRA DE DEUS POR DISPENSAÇÕES, SE COMPARADO AOS OUTROS MÉTODOS EXISTENTES?

    ResponderExcluir
  6. Enriquecedor Todo o estudo.
    Muito profundo, e que haverá de despertar a todos para que estejam em plena obediência a Palavra de Deus.
    Parabéns.

    ResponderExcluir

Obrigado por Comentar!

Curta nossa fã page

Comentários